segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

BOAS FESTAS

OS COLABORADORES DESTE BLOG DESEJAM A TODOS OS VISITANTES E ADEPTOS DO CLUBE, UM SANTO E FELIZ NATAL.

6ª Jornada Futsal

Dia 20 de Dezembro de 2008. Desta vez o GDVS iria deslocar-se ao Ladoeiro para enfrentar a equipa local. Primeiro contratempo não havia carrinhas disponíveis, pois a do Grupo encontrava-se na oficina e como os juniores também tinham uma deslocação fora levaram as carrinhas gentilmente cedidas pela Junta de Freguesia. Assim sendo, lá saímos nos nossos carros particulares por volta das 14h. Após mais uma longa deslocação, lá chegamos ao Ladoeiro, onde ficamos agradados ao ver as condições do pavilhão local. Antes do início do jogo, o “mister” deu-nos a habitual palestra, tentando retirar alguma ansiedade existente sempre antes de cada jogo e libertando-nos de alguma pressão, pois afinal de contas iríamos defrontar uma das equipas mais fortes e um sério candidato aos lugares cimeiros da classificação. O jogo começou e mais um contratempo, passados apenas 2 minutos de jogo, o Orlando ao tentar fazer um corte de uma bola pelo ar, teve uma aparatosa queda que lhe valeu uma lesão que o impediu de regressar ao jogo. Estava-se numa fase de equilíbrio repartido, com muitas faltas iniciais, como demonstra a expulsão do guarda-redes adversário logo aos 10 minutos, após ter cometido duas faltas fora da área que lhe valeram outros tantos cartões amarelos e subsequente ordem de expulsão. O GDVS via-se assim numa excelente posição para se distanciar no marcador, mas a equipa acusou a responsabilidade de ter mais um elemento durante 2 minutos, pois não soube aproveitar a vantagem numérica para marcar, tendo até perdido diversas bolas nesse mesmo período de tempo. E como quem não marca acaba sempre por sofrer eis que o Ladoeiro iria inaugurar o marcador à passagem do minuto 16. Mas é sabido a forma aguerrida com que a “maltinha” do Futsal, consegue recuperar das desvantagens, e passados 5 minutos, o Diogo conseguiu igualar o marcador e volvido apenas um minuto, o Fagulha aproveitando uma insistência nossa conseguiu marcar e passar para a frente no marcador. Mas a equipa ia demonstrando alguma intranquilidade e depressa atingiu a 5ª falta, fruto de uma arbitragem “inteligente” que nos lances de contacto tinha um critério diferente conforme se tratava de um “encosto” da equipa da casa ou da equipa forasteira. Até que ao minuto 28 após (mais) uma perda de bola, o Ladoeiro iria chegar à igualdade e no minuto seguinte passaria para a frente através de um golo marcado na sequência de um pontapé de canto onde demonstrámos uma constrangedora falta de marcação. Denominador comum nestes dois golos, foram ambos marcados após substituições nossas. O intervalo não iria chegar sem termos sofrido novo golo, num belo lance da equipa adversária, que demonstrou, além de muita técnica, principalmente muita velocidade. Tempo de intervalo, tempo de recuperar forças e tempo de ouvir as sempre sábias recomendações do “mister”. Foi com a convicção que dois golos de desvantagem são recuperáveis em Futsal que iniciamos o segundo tempo. Mas o início não poderia ter começado da pior, pois logo no primeiro minuto, o Fagulha num lance algo confuso, utilizou a mão para evitar que a bola entrasse na baliza, situação esta que não passou despercebida à equipa de arbitragem, tendo-lhe mostrado o cartão vermelho directo e apontado para a marca do pontapé de grande penalidade. Ocasião esta, aproveitada pela equipa local para chegar ao 5-2. Mas o GDVS não baixou os braços e passados 2 minutos, o Igor aproveitou da melhor maneira um passe do Edgar, para de primeira reduzir o marcador. Nesta fase, estávamos claramente a dominar e não admirou muito aos muitos espectadores presentes termos chegado à igualdade após 2 golos num minuto (no minuto 9), primeiro na marcação de um livre directo superiormente executado pelo Luís que com um potente remate não deu hipótese ao guarde redes adversário, e segundos depois o Igor iria chegar ao empate. Mas a “maltinha” continuava a cair nos mesmos erros e acabaríamos por sofrer o sexto golo ao minuto 11’. Continuamos a acumular faltas (não volto a falar na dualidade de critérios, mas que existiu, existiu) e após mais uma perda de bola sofremos novo golo. Urge melhorar os níveis de concentração, pois continuámos a sofrer demasiados golos em lances em que perdemos a bola para a equipa adversária. Não baixamos os braços e num lance ofensivo, a equipa de arbitragem não viu (ou não quis ver) um lance semelhante ao do Fagulha em que o Igor iria marcar golo e um jogador adversário, já no chão evitou que a bola fosse para o fundo das redes com o braço, pelo que seria expulsão do jogador e pontapé da marca de grande penalidade. Eram demasiados erros para uma tão categorizada equipa de arbitragem. Fisicamente eles estavam muito mais fortes e mais rápidos e num lance de contra-ataque iriam marcar novamente à passagem do minuto 23. Nesse mesmo minuto iríamos ter outro contratempo, pois o Fofinho lesionou-se tendo entrado o Tiago Coluna para o substituir. Minuto 24 novo golo da equipa do Ladoeiro, após um forte remate na sequência de um lançamento lateral. Estávamos claramente desconcentrados, pois continuávamos a cometer demasiados erros e também faltou-nos aqui e ali uma pontinha de sorte, pois ainda agora o Mota está a pensar como é que a bola não entrou á passagem do minuto 26, num lance em que a bola caprichosamente embateu na trave e não entrou. Ao minuto 30 surgiu o décimo golo da equipa local na sequência de um, livre de 10 metros. Até ao final só a destacar duas situações, uma defesa do Coluna na sequência de novo livre de 10 metros e para culminar com uma arbitragem “fraquinha” a não expulsão do Fofinho que no banco viu novo cartão amarelo por protestos e na 1ª parte tinha já visto um, na sequência de uma falta cometida fora da área. Resultado 10-5, primeira derrota pesada da “maltinha” do Futsal (anteriormente tinha sido sempre por um golo apenas), mas o resultado é algo enganador, pois faltou-nos um pouco àquela estrelinha da sorte em momentos cruciais do encontro. Mas não há que desanimar, pois afinal de contas são apenas três pontos que perdemos. Há que recuperar e dentro de quinze dias temos novo encontro marcado com eles, desta vez para a taça. Tempo de recuperar forças e de recuperar elementos pois esperamos que o Orlando e o Fofinho recuperem depressa de modo a estarem aptos já no próximo encontro. Mas não poderia terminar sem enaltecer o espírito que existe na “maltinha” do Futsal, como é bem exemplo disso a forma alegre e bem disposta como decorreu o jantar, isto apesar do resultado menos conseguido desta vez.
Loading...