sábado, 29 de novembro de 2008

2ª Mão 1ª eliminatória Taça Honra

29-11-2008,
2ª mão da 1ª eliminatória da Taça Distrital de Futsal.
Na primeira-mão tínhamos perdido na Covilhã por 7-6, pelo que teríamos de ganhar por uma diferença de dois golos para seguir em frente na eliminatória. Antes do jogo, o “mister” alertou-nos para isso mesmo, mas lembrando-nos que o importante era ganhar. O jogo não poderia começar da pior maneira, pois logo aos 36 segundos, após uma perda de bola, num lance em que o Igor tentou cortar o lance foi infeliz e marcou um auto golo. A equipa acusou o golo sofrido e demorou algum tempo a reagir, mas pouco a pouco foi assumindo o controlo do jogo, até que aos 18 minutos após um “pressing” junto da área adversária, o Luís ganhou uma bola e de imediato a colocou nos pés do Igor que marcou o golo da igualdade, redimindo-se assim da infelicidade logo no inicio do jogo. O jogo estava numa fase de equilíbrio, mas á passagem do 28º minuto após mais uma bola ganha no meio campo adversário, o Fagulha iria marcar o segundo golo. Não iria terminar a primeira parte sem antes o GDVS cometer a 5ª falta, situação essa que urge corrigir, pois a maioria das nossa faltas foram cometidas em lances ofensivos que ao perder a bola, na ânsia de a recuperar caímos no “engodo” do adversário e vamos assim acumulando faltas. Mas apesar disso a equipa soube gerir a vantagem e chegar ao intervalo a vencer por 2-1. Era um resultado que nos interessava, mas o “mister” pedia-nos concentração e confiança para mais um golo. E foi com essa vontade de alcançar “mais um golo” que começámos a 2ª parte. No início do segundo tempo voltou a haver um certo equilíbrio, tendo a equipa da Covilhã tentado chegar ao golo do empate, mas o máximo que conseguiu foi um remate ao poste da nossa baliza ao minuto 3’42 da segunda parte. Estavamos mais organizados a defender e confiantes nas saídas para o ataque. A partir daí a “maltinha” do futsal pegou claramente no jogo e dilatou a vantagem aos 9 minutos da segunda parte num belo remate, bem colocado do Diogo, que assim atingiu o nosso objectivo, marcar mais um golo e liderar um encontro por dois golos de diferença, o que seria suficiente para seguir em frente. Mas a maltinha estava confiante, a vantagem de um golo não nos satisfazia e fomos à procura de maior conforto, até que volvidos 2 minutos, isto é, ao minuto 11 da segunda parte numa belíssima triangulação, em que a bola passou por todos os jogadores do GDVS, o Fagulha fez uma assistência de “morte” para o Igor dilatar a vantagem. Estava-se numa fase em que o jogo estava algo aberto, pois o Sporting da Covilhã estava a procura do golo e o GDVS poderia ter marcado por diversas vezes, tais as situações de golo que criou e desperdiçou. Até que à passagem do 25 minuto, após mais uma bola ganha no meio campo adversários, o Diogo colocou a bola no Edgar que de calcanhar fez um golo de belo efeito. A eliminatória estava quase na mão, bastaria ter a capacidade de aguentar os 10 minutos finais e a vitória era garantida. Apesar de novamente termos atingido a 5ª falta conseguimos suster as intenções da equipa adversária, não se verificando assim mais alterações no marcador, apresentando este no final o resultado de 5-1 favorável ao GDVS. Foi uma vitória brilhante de uma equipa brilhante que demonstrou uma atitude em campo, que quer a Direcção do GDVS, quer a imensa massa de simpatizantes que se deslocou novamente ao pavilhão para nos apoiar, podem ficar orgulhosos, pois demonstramos que temos equipa e que tudo faremos para ganhar, qualquer que seja o adversário. Agora há que recuperar e agradecer todo o apoio que temos tido, e esperar que no próximo jogo em casa, já em 2009, pois agora termos duas deslocações seguidas para o campeonato, voltemos a ter a casa cheia, pois esse também é um factor em muito decisivo para a atitude que temos tido dentro de campo. A finalizar ficam o nome dos “heróis” desta 2ª mão da primeira eliminatória da Taça de Honra: Fofinho (que hoje teve jogar com a camisola do Coluna, pois a dele confundia-se com a do guarda-redes adversário), Tiago Coluna, Diogo, Igor, Tiago Mota, Fábio, Luís, Edgar, Orlando, João, Nuno e Miguel.

Miguel Vieira

BOLETIM

terça-feira, 25 de novembro de 2008

domingo, 23 de novembro de 2008

9ª Fornada Futebol Séniores

Nem atou, nem desatou…
Campo de Valverde
Árbitro- Alexandre Rato (4), auxiliado por Diogo Venâncio e David Afonso
Valverde- João Augusto (3), Ricardo Silva (3), Dinis Gonçalves (3), João Alves (3), Daniel Alves (3), Cristophe (3), Miguel Duarte (3), Hugo Gigante (3), Janilson (3), Gonçalo (3) e Flávio Cunha (3)
Treinador- Micas
Vitória de Sernache- Jorge Correia (3), Paulo Lopes (3), Ricardo André (3), Fernando Miguel (4), Likas (3), Luís Filipe (3), Dany (3), Tiago Farinha (3), Dário (3), Miguel Farinha (3) e João Gaspar (3)
Treinador- António Joaquim
Substituições- Flávio Cunha por Daniel Santos (2) aos 58, Gonçalo por Nuno Martins (2) aos 65 e Janilson por Zé Luís (1) aos 74; Paulo Lopes por Filipe Barata (2) aos 69 e Miguel Farinha por Fredy (1) aos 76
Disciplina- Amarelos a Dinis Gonçalves aos 89; Fernando Miguel aos 85
O Vitória de Sernache- Tentou jogar para ganhar mas sentiu muitas dificuldades na adaptação ao terreno de jogo. O meio campo viu muitas vezes a bola passar-lhe por cima o que prejudicou a construção de jogo ofensivo.
Provavelmente não andaremos muito longe da verdade se dissermos que mesmo que ainda lá estivessem a jogar, com certeza o nulo continuava no placard. Mas não foi por falta de empenho ou de ambição que não aconteceram golos. Não. Valverde e Vitória tentaram sempre jogar para ganhar, mas a verdade é que, por um motivo ou por outro as oportunidades construídas foram escassas e daí ser justo o nulo final.Entrou melhor o Vitória, que logo no segundo minuto podia ter marcado, não fosse João Augusto opor-se da melhor forma a um remate forte de Paulo Lopes mas muito em cima do guarda-redes contrário.Até ao intervalo, para além da muita luta a meio campo e do excessivo tempo que a bola passou pelo ar, apenas se deu conta de mais dois lances perigosos, um para cada lado. Aos 13 minutos João Alves trabalhou bem pela direita do ataque da sua equipa, ganhou a linha de fundo mas, a um cruzamento tenso para a frente da baliza de Jorge Correia, não apareceu nenhum companheiro a fazer aquilo que até seria o mais fácil: empurrar a bola para dentro da baliza.Já pouco depois da meia hora foi Likas a não ver um excelente trabalho seu pela direita do ataque vitoriano a ser concluído da melhor forma. O lance do ponta de lança da equipa do Pinhal pode considerar-se mais de meio golo, até porque, para além de ter conseguido ganhar a linha de fundo, ainda cruzou açucarado para onde aparecia Miguel Farinha. Este, como que deslumbrado, atirou frouxo e sem direcção, desperdiçando mesmo aquela que, soube-se no final, haveria de ser a melhor oportunidade de todo o jogo.O descanso parece ter feito bem aos da casa que logo no segundo minuto assustaram Jorge Correia, quando este viu Janilson cabecear já na pequena área ligeiramente por cima da trave. Só que este domínio inicial, e a tentativa de entrar para surpreender, foi-se diluindo, até chegarmos, em escassos minutos, a novo ponto de equilíbrio.E daqui até final, mesmo correndo o risco de nos tornarmos repetitivos, só deu para tomar nota de mais dois lances que quebraram o marasmo e que serviram mais que tudo para baixarmos a cabeça para o terreno de jogo. Aos 66 minutos Paulo Lopes respondeu fraco, de cabeça, a um cruzamento de Luís Filipe, e dez minutos depois, do lado oposto, foi Jorge Correia a ter que se arrojar junto ao seu poste esquerdo para evitar males maiores.Por tudo o que se passou ao longo do jogo, e foi pouco para o valor das duas equipas, o nulo é um castigo justo tanto para Valverde, como para Vitória de Sernache.
IN
Antoniomaia.blogspot.com

4ª Jornada Futsal

Dia 22 de Novembro de 2008, dia este que fica na história do GDVS, pois trata-se do dia em que a “maltinha do Futsal” obteve a sua primeira vitória em jogos oficiais. O adversária era a equipa da Bouça, que apenas tinha um ponto a mais do que nós na classificação. Antes do jogo o “mister” teve uma conversa séria com os jogadores, alertando-os para a necessidade de encarar este jogo como se fosse contra uma equipa do cimo da classificação, mas que tínhamos aqui uma excelente oportunidade de alcançar a primeira vitória, pelo que teríamos de estar concentrados e não ter medo de assumir o jogo. E foi assim que a equipa iniciou o jogo, sem medos e essa atitude deu frutos logo ao minuto 1’, pois através de uma boa jogada entre o Diogo e o Igor este finalizou marcando assim o primeiro golo do desafio. Passados pouco mais de um minuto e meio, o Fagulha aumentou a vantagem na sequência de um livre directo. E à passagem do sexto minuto, após uma jogada de insistência o Fagulha iria marcar novamente, fazendo assim, o terceiro golo. Este início fulgurante teve o condão de trazer alguma tranquilidade à equipa. A equipa estava a jogar bem, conseguindo jogadas de belo efeito. E foi com naturalidade que o quarto golo surgiu após uma bela triangulação em que o J. Maluco assistiu o Orlando que com muita calma bateu o guarda-redes adversário. O quinto surgiu apenas 50 segundos volvidos, através de um forte remate do Luís na conversão de um livre directo, em que beneficiou de um ressalto num jogador adversário. A equipa do GDVS dominava o jogo a seu belo prazer e iria chegar ao 6-0, novamente pelo Luís, desta vez na marcação de uma grande penalidade. A equipa da Bouça estava atordoada por estes frenéticos 27 minutos do GDVS, conseguindo o seu primeiro golo ao minuto 30’ após uma perda de bola da nossa equipa. Para um minuto depois reduzir para 6-2 na conversão de um livre directo. Mais uma vez cometemos alguns erros defensivos que se traduziram em golos, situação essa que necessitamos de corrigir. Mas estes golos não nos afectaram e ainda antes do intervalo iríamos marcar mais 2 vezes, o primeiro através do Tiago Mota após assistência do Fábio (Fagulha) e no segundo seria o Fábio a marcar o terceiro da sua conta pessoal após receber um passe longo do Luís. Chegou o intervalo deste jogo frenético com o incrível resultado de 8-2 favorável à “maltinha do Futsal”. Tinham sido 35 minutos de sonho da nossa equipa que tinha tudo para poder alcançar a tão almejada vitória. O intervalo serviu para ouvir as sempre sábias palavras do “mister” pois necessitamos de “descer á terra “ após tão brilhante primeira parte. E a segunda parte começou logo com um golo da equipa da Bouça, que com um remate de fora de área bateu o Coluna (que ao intervalo entrou a substituir o Fofinho). Este golo fez-nos lembrar que o jogo não estava ganho e partimos novamente para cima do adversário para dilatar o marcador. Situação, esta que iria suceder á passagem do 4º minuto através do Edgar que de pé esquerdo e após um passe do Luís, bateu o guarda-redes adversário. Entrou-se numa fase em que o jogo nem era sempre bem jogado e começamos a cometer algumas faltas desnecessárias, o que trouxe alguma intranquilidade á equipa. O jogo estava aberto, tendo o GDVS desperdiçado várias situações de golo, pois apesar do marcador estar tão dilatado, ficou no ar que poderíamos ter marcado muito mais. E marcamos, ao minuto 14, após um lance corrido, o Fagulha assistiu o Tiago Mota que marcou assim o décimo golo da equipa e ao chegar ao minuto 30, o Igor após mais uma assistência do Fagulha, marcou um golo que há já alguns minutos estava a procura. A partir daqui a equipa abrandou e cometeu novamente algumas faltas desnecessárias para uma equipa que se encontrava a vencer por 11-3, tendo com isto atingido a sua quinta falta. E foi na marcação de um livre directo a punir a 6ª falta que a Equipa da Bouça iria reduzir o marcador. O jogo não terminaria sem sofremos mais um golo nos instantes finais do encontro, fixando assim o marcador nos “fantásticos” 11-5 finais. Estava conseguida a primeira vitória!!! E que vitória e que exibição!!! O GDVS pode estar orgulhoso da “maltinha” do Futsal que hoje elevou bem alto o nome desta sexagenária colectividade. Esta vitória, os jogadores do futsal querem dedicá-la a todos quanto apoiaram a nossa equipa, a todos que (mais uma vez) quase encheram o recinto de jogo, não parando de incentivar a equipa, mas não me vão levar a mal se dedicarmos em especial esta vitória à pessoa que foi o “mentor” deste projecto, que nos fez acreditar, que nos fez tornar este sonho realidade, assim sendo, tomo a palavra do grupo para dedicar esta vitória ao “mister” António Joaquim.
Agora é tempo de saborear a vitória e esperar por todos quanto apoiaram a equipa voltem a encher o pavilhão no próximo sábado, para a segunda mão da taça de honra, em que a equipa do GDVS irá defrontar o Sporting da Covilhã, tentando anular uma desvantagem de 7-6 que trouxe do recinto da equipa dos “leões da Serra”. Por fim ficam o nome dos jogadores que brilhantemente conseguiram alcançar a primeira vitória da “maltinha” do Futsal do GDVS: Fofinho, Coluna, Diogo, Tiago Mota, Igor, Fábio, Orlando, João, Luís, Edgar, Nuno e Eurico.
MIGUEL VIEIRA

sábado, 22 de novembro de 2008

terça-feira, 18 de novembro de 2008

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Taça Honra José Farromba

Este domingo não se jogou para o campeonato, e o fim de semana teve os jogos da taça de honra como figura. O Grupo Desportivo Vitória de Sernache calhou a sorte de jogar com o Aguias do Moradal, em casa deste e o resultado foi de 1-0 com o golo a surgir logo aos 3 minutos através de um autogolo de junior Toni.
Numa competição que na época transacta fomos finalistas vencidos nos penalties por este mesmo adversário, este ano ficamos pelo caminho logo a abrir.

domingo, 16 de novembro de 2008

3ª Jornada FUTSAL

15 de Novembro de 2008, mais uma saída da equipa de Futsal do GDVS, desta vez a deslocação seria até Belmonte (mais uma longa deslocação) para defrontar a equipa do Carvalhal Formoso. Tínhamos sido informados de que o jogo iria ser atrasado em cerca de 30 minutos, pois os árbitros não poderiam estar presentes á hora marcada. Desta vez íamos todos bonitos com os nossos novos fatos de treino gentilmente oferecidos pela empresa CARBUS, LDA. Foi tendo consciência de que a equipa que iríamos defrontar poderia estar ao nosso alcance que o “mister” nos preparou psicologicamente antes do desafio, de modo a corrigirmos aquelas situações que originaram a série de derrotas pela margem mínima que esta equipa tem apresentado nos últimos quatro jogos. Começa o jogo. Os primeiros minutos jogaram-se numa toada muito lenta por ambas as equipas, mostrando que a equipa adversária tinha estudado bem a lição, pois jogou de forma inteligente denotando que tinha estudado a forma como jogávamos. Os primeiros dez minutos foram de uma pobreza franciscana, não havendo nada de relevante a apontar, tal era a apatia das duas equipa, isto se exceptuarmos um remate ao poste da nossa baliza à passagem dos 8 minutos. Até que surgiu o primeiro golo do desafio, pela equipa anfitriã, através de um forte remate de fora da área batendo sem hipótese o Fofinho. O golo sofrido não se fez sentir e lá fomos para cima do adversário, mas hoje não estávamos particularmente inspirados no jogo ofensivo. Os lançamentos compridos do guarda-redes eram (quase) sempre anulados pela defesa contrária, e sentia-se que as coisas ao nível ofensivo não estavam a sair bem. Talvez as boas exibições anteriores, acusaram algum excesso de confiança da nossa parte, o que resultou nalguma intranquilidade em termos ofensivos. Mas apesar disto lá chegamos ao golo do empate, através do Diogo que do meio da rua e aproveitando um ressalto num defesa adversário fez o 1-1. Passados alguns minutos, beneficiamos da marcação de um livre directo, mas o Igor desperdiçou a oportunidade de passarmos á frente no marcador e assim chegamos ao intervalo, empatados a uma bola. No intervalo, o “mister” foi corrigindo algumas falhas no nosso processo defensivo e pediu mais movimentações ofensivas, pois ele sentia que a equipa adversária estava ao nosso alcance, apesar do nosso aparente menor acerto ofensivo. O início do segundo tempo foi marcado por uma sucessão de faltas da nossa equipa, que ao chegar ao quinto minuto já tinha acumulado 4 faltas. Continuava a ser o mesmo jogo lento e de novo a equipa do Carvalhal iria adiantar-se no marcador, através de um remate cruzado, após mais uma vez a nossa defesa ter dado muito espaço ao jogador adversário. O jogo ia decorrendo e a nossa equipa não ia conseguindo chegar ao golo do empate e após uma perda de bola no ataque, através de um rápido contra-ataque, a equipa do Carvalhal conseguiu marcar o 3º golo. A partir daí fomos para cima do adversário, mas o máximo que conseguimos foi reduzir o marcador através do Igor. De destacar neste período mais uma bela defesa do “fofinho” na marcação de um livre directo por parte da equipa adversária. Mas já faltava pouco tempo e a equipa adversária cerrou as fileiras lá atrás não nos dando hipótese de chegarmos ao tão almejado golo do empate. Mais um jogo, mais uma derrota por um golo de diferença. Urge rapidamente alcançar a primeira vitória, pois apesar de ser sempre por pouco, a verdade é que ainda só conseguimos derrotas em jogos oficiais, situação essa que vai criando algum mal-estar dentro do grupo, pois hoje pela primeira vez se sentiu alguma “desunião” entre a “maltinha” do futsal. Por fim ficam os nomes dos elementos que bem tentaram, mas ainda não conseguiram os primeiros pontos oficiais: Nélson, Tiago Coluna, Igor, Diogo, João, Tiago Mota, Edgar, Orlando, Nuno, Miguel e Fábio.
No próximo sábado contamos com o vosso apoio pelas 20 horas na 2ª jornada em casa, onde recebemos a equipa da Bouça. O vosso apoio é importante.
Ficam os restantes resultados:
CB PENAMACOR 4- SP. COVILHÃ 1
BOUÇA 1 - CARIENSE 3
LADOEIRO 3 - PESO 2
Miguel Vieira

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Esta imagem foi aqui colocada para permitir a todos os leitores do referido jornal que possam ler a noticia, pois na zona do pinhal o referido jornal esgotou. Chegou-nos ao ouvido que o fagulha comprou todos os exemplares disponivéis. Assim fica aqui a crónica

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

domingo, 9 de novembro de 2008

8ª Jornada

Foi uma jornada em que mais uma vez o Alcains, líder da prova, voltou a ter grandes dificuldades para somar o três pontos. Tal como à oito dias, só mesmo no período de descontos a equipa de Andriaça conseguiu marcar o golo do triunfo. Se considerarmos que estes dois triunfos foram obtidos, com todas estas dificuldades, sobre os dois últimos classificados, é caso para nos questionarmos: o que se está a passar com a equipa do CDA ? Perante os vizinhos de Escalos de Cima o Alcains não conseguiu desmontar a estratégia que Paulo Macedo engendrou para este confronto. Foi uma equipa passiva, muito previsível e, tal como à oito dias, sem garra e sem chama. Não chega ter mais valor que o adversário, para se alcançarem triunfos é necessário provar esse valor dentro das quatro linhas. É verdade que o resultado final é que vai contar, no entanto, é nossa convicção que o Alcains terá que mostrar mais do que o tem feito até aqui. A primeira equipa a marcar foi a formação de Escalos de Cima, um golo apontado por Paulinho, à passagem do minuto 63. O Alcains respondeu, com um golo esquisito, tal como já o tinha sido o do Escalos, assinado por Ricardo Costa. Como o jogo teve muitas paragens, algumas resultantes das expulsões de Miguel, Manoel, Cláudio e Carlitos ( quatro expulsões, duas para cada equipa, num jogo é obra) e devido a algumas assistências médicas, o árbitro do encontro, Márcio Lopes, viu-se na necessidade de dar mais sete minutos de compensações. Foi exactamente nesse período, quando se atingia o minuto 5 que o Alcains, por intermédio de Tabarra, conseguiu o golo que valeu três pontos. Um golo que, provavelmente, os jogadores de Escalos já não mereciam... No derby concelhio de Oleiros, a equipa do Estreito foi melhor e por isso não teve dificuldades em levar de vencida o Oleiros. A equipa de José Ramalho, que regressou ao clube para substituir João Paulo, que saiu devido aos maus resultados, terá que ser revista, porque, ao que parece, não tem nos seus quadros jogadores com a qualidade que lhe permita fazer mais e melhor. Como bem dizia o saudoso Otto Glória: Sem ovos não se fazem omeletas... A equipa de António Belo cedo chegou ao primeiro golo. Foi logo aos 4 minutos num remate forte de José Augusto, o 2-0 teve a assinatura de Edmilson, aos 35’ e Rui Paulo, a quinze minutos do final fixou o resultado em 0-3. Um triunfo que não teve contestação.
O Vitória de Sernache, finalmente, conseguiu a segunda vitória na prova. Não se pense que foi fácil a tarefa da equipa de António Joaquim, não foi fácil por que a equipa de Mário Pereira, muito bem arrumado no terreno tentou dificultar a tarefa aos homens de Cernache do Bonjardim. O jogo até começou muito bem ao Vitória, conseguindo adiantar-se no marcador logo aos 6 minutos da partida, com um golo de Dani, contudo, sobre o intervalo, mais concretamente, dois minutos depois dos 45 regulamentares, Luís Pedro marcou para o Teixosense, levando o jogo empatado para o descanso. Na segunda parte a formação da casa voltou a crescer e conseguiu impor-se com mais um golo, de novo apontado por Dani, quando o relógio assinalava 55’. Até final foi necessário gerir muito bem o resultado, controlando o jogo e o adversário, numa acção muito desgastante e que obrigou que todos se tivessem empenhado ao máximo. Poderá ter sido a vitória que faltava para que a equipa encontre a tranquilidade que tem faltado.
No Campo Nossa Senhora das Neves, em Proença o Pedrogão de S. Pedro deve ter estado a anos luz da sua real qualidade. Foi goleado pela equipa da casa e não consta que tenha sido um resultado injusto. O Proença adiantou-se no marcador ao segundo minuto da partida, com um golo de Dide. Sete minutos depois foi Nuno Alves a elevar o resultado para 2-0. Como o jogo estava a correr de feição à equipa de José Esteves, o terceiro acabou por não constituir surpresa. O 3-0 aconteceu à passagem dos 40 minutos e foi apontado por Acácio. Foi com este resultado que se chegou ao intervalo. As instruções e alterações que Xana terá feito para a segunda parte não resultaram e o Proença voltou a marcar, desta feita por Jorge Ribeiro, aos 59’, fixando o resultado final em 4-0, números verdadeiramente exagerados, não pelo que aconteceu dentro das quatro linhas, mas sim pela qualidade dos contendores. O Vilarregense que muito prometia neste inicio de campeonato parece estar a perder gás. Depois dos triunfos seguidos sobre Fundão e Oleiros, não mais voltou a conhecer a vitória. Dai para cá soma três derrotas e um empate, colocando-se numa posição que certamente não seria aquela que Pedro Sampaio esperaria ter nesta altura. O adversário do Vilarregense foi o Valverde, que conseguiu surpreender ao marcar o golo que valeu os três pontos, por Miguel, aos 34’ de jogo. Nem o desentendimento, quase inédito, entre o técnico Micas e o delegado ao jogo, que fez uma substituição contrária às pretensões do treinador, fez com que a equipa do concelho do Fundão se desunisse, num período em que a equipa de Vila de Rei tudo tentava para virar o resultado. Como era de esperar o Fundão venceu a Lardosa e nem necessitou de se entregar ao jogo a 100%. A partida teve sempre um único sentido e por isso o 3-0 reflecte por inteiro a superioridade dos fundanenses. João Lisboa abriu o marcador, aos 8’, aos 21 foi a vez de Ricardo Fonseca ampliar para 2-0 e aos 32´ Iago colocou a marca em 3-0. Na segunda parte a tendência manteve-se mas não houve festejos para mais golos
radio cova da beira

Taça - Futsal

TAÇA CARLOS RANITO XISTRA
08 de Novembro de 2008.
O GDVS iria deslocar-se à Covilhã para enfrentar a equipa local para a 1ª eliminatória da Taça de Honra. Hora de saída 15 horas, ponto de encontro pavilhão gimnodesportivo. Apesar de termos saído já passava das 15, a equipa saiu sem a presença do Vasco que não se encontrava no local á hora marcada. Após uma longa mas alegre viagem, as “velhinhas” carrinhas lá nos levaram à Covilhã, ao pavilhão do Inatel. Após uma primeira análise ao pavilhão e as suas condições ficamos ainda mais estupefactos com as “implicações” do árbitro que veio apitar o nosso jogo em casa e com os entraves que colocou ao nosso pavilhão. As tais marcações no campo não existiam (nem sequer foram colocadas com fita-cola como no nosso caso), cola adesiva a segurar as redes das balizas, e o que dizer da rede por detrás das balizas, (visíveis nas fotos em anexo) mas isso são situações que a Associação terá de explicar, a dualidade de critérios nas exigências de condições dos pavilhões. Antes do jogo o “mister” alertou-nos para a especificidade deste jogo pois tratava-se de uma eliminatória jogada em duas mãos, pelo que o resultado final de hoje não implicaria o desfecho final da eliminatória. Começa então o jogo, e logo a primeira jogada de perigo por parte da equipa do Sporting da Covilhã, mas a que se opôs o Fofinho com uma brilhante intervenção. Após uma fase de algum equilíbrio repartido, eis que chega o golo da equipa adversária à passagem dos 8 minutos. Mas no minuto seguinte após mais um longo passe do Fofinho para o Fábio, aí está o golo do empate. Ao minuto 13, num lance algo confuso, o Tiago (Motha) ao tentar colocar a bola no João, acabou por fazer o golo, pois o guarda-redes adversário ficou ludibriado com a movimentação do João, acabando a bola por entrar, fazendo assim o 2-1 favorável ao GDVS. Mas a vantagem durou pouco, pois passados 26 segundos, após novamente uma falha defensiva, eis que surge o 2-2. Apesar do empate a equipa não baixou os braços, e após a marcação de um pontapé de canto pelo Orlando, “descobriu” o J. Maluco solto, que de primeira fez um golo de belo efeito, fazendo assim o 3-2. Minuto 23, poderíamos ter dilatado a vantagem se não fosse o remate do Edgar bater com estrondo na trave da equipa adversária. A equipa da Covilhã partiu para cima da nossa equipa e conseguiu chegar novamente ao empate ao minuto 32 e mesmo no final da primeira parte, após a marcação de um livre a punir uma nossa falta conseguiram chegar ao 4-3 com que chegamos ao intervalo. Muita atitude por parte dos nossos jogadores mas alguma ingenuidade nas acções defensivas a estar visível no marcador. Mais uma vez tínhamos sofrido um golo nos instantes finais de uma parte, situação, essa que urge corrigir. Foi essa a toada do discurso do “mister” que nos chamou à atenção para as nossas falhas defensivas que continuam a surgir em momentos chaves. Recomeça o encontro e a equipa do GDVS passa por algumas dificuldades iniciais, o que faz com que a equipa do Sporting da Covilhã chegasse primeiro ao 5-3 (aos 4 minutos) e depois ao 6-3, isto no minuto 11. Mas a “maltinha” do Futsal não se deixou abater pelo evoluir do marcador e aos 11´50” o Fábio (Fagulha), fez o 6-4 para passado um minuto, bater novamente o guarda-redes adversário. Até que numa jogada semelhante aos dois golos anteriores, o Fábio apareceu novamente cara a cara com o guarda-redes adversário e restabeleceu a igualdade a seis golos. Ao chegar o minuto 18, cometemos a quinta falta, pelo que iríamos jogar metade da segunda parte com cuidado para não cometer a sexta falta e consequente livre directo. Entrou-se numa fase de equilíbrio com diversas ocasiões de golo de parte a parte, mas todas elas resolvidas com qualidade por ambos os guarda-redes, até que ao minuto 23, a equipa local conseguiu bater o Tiago Coluna (que tinha substituído o Fofinho ao intervalo) e chegar assim ao 7-6. Até ao final do jogo a equipa do GDVS bem tentou chegar á igualdade, mas foi desperdiçando várias ocasiões de golo, a mais flagrante no minuto 32 através da marcação de um livre directo, o Fábio apesar do potente remate permitiu a intervenção do guarda-redes da equipa local. Pelo que ao chegar o apito final do árbitro, não houvesse alteração no marcador, ficando assim o resultado de 7-6 favorável à equipa da Covilhã. Bem sei que as “vitórias morais” não passam de derrotas com sabor menos amargo, mas mais uma vez ficou demonstrado toda a valia e qualidade desta “maltinha”, pois ao defrontar um adversário que todos consideravam como favorito, vendeu cara a derrota e com um pouquinho mais de sorte, conseguíamos trazer um resultado mais favorável. Mas a eliminatória ainda não ficou decidida, estamos no intervalo, pelo que ainda estamos a tempo de corrigir o resultado negativo que trouxemos da Covilhã e seguir em frente na Taça.
Continuar a trabalhar para melhorar é nosso lema e como diz o mister: " com estes e por estes vou até ao fim do mundo" . Por fim ficam os nomes dos elementos que mais uma vez dignificaram o emblema que envergam: Nélson, Tiago Coluna, Igor, João, Tiago Mota, Edgar, Orlando, Eurico, Miguel e Fábio.
Ficam os restantes resultados e 2ª mão jogada dia 29 de Novembro:
Ladoeiro-Cariense 7:2
Sp.Covilhã-V.Sernache 7:6
Bouça-Carvalhal Formoso 1:5
C.Benf.Penamacor-A.Juv.Peso 8:0

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

7ª Jornada

Pedrógão segura golo com unhas e dentes
Campo Tenente Manuel Morais, Pedrógão de São Pedro
Árbitro- Paulo Abrantes (4), auxiliado por Nuno Silva e Sérgio Paiva
Pedrógão SP- Ruben (4), Filipe (3), Roque (3), Velho (3), Valter (3), Horácio (3), Leonel (3), Mário Pina (4), Ângelo (1), Caronho (4) e Mikael (3)
Treinador- Xana
Vitória de Sernache- Jorge Correia (3), Paulo Lopes (3), Rui Domingues (2), Ricardo André (3), Fredy (3), Fernando Miguel (4), Dany (3), Tiago Farinha (3), Diogo Simão (3), Miguel Farinha (3)Gaspar (3)
Treinador- António Joaquim
Substituições- Ângelo por Hélder Filipe (3) aos 20, Horácio por Luís Amaro (2) aos 71 e Velho por Manuel (-) aos 89; Rui Domingues por Likas (3) aos 59, Diogo Simão por M´Passo (2) aos 59 e Dany por Luís Filipe (2) aos 73
Disciplina- Amarelos a Mário Pina aos 90+3; Tiago Farinha aos 22, Ricardo André aos 81, Fredy aos 90 e M’Passo aos 90+4
Marcador- Caronho aos 52
A figura do jogo- Ruben (Pedrógão SP)- Com três defesas fantásticas no segundo tempo acabou por contribuir de forma decisiva para segurar a vantagem no marcador. Decisivo.
O Pedrógão SP- Teve um ligeiro ascendente, durante os primeiros 45 minutos, mas, sabendo das limitações provocadas pelas lesões optou, e conseguiu, por segurar a vantagem que alcançou no início do segundo tempo. Vitória importante para manter a equipa no topo da classificação.
O Vitória de Sernache- Já joga melhor que nos primeiros jogos da temporada mas tem dificuldades em concretizar as oportunidades que cria durante os períodos em que domina. Empurrou o Pedrógão para o seu meio campo depois de sofrer o golo mas, só isso não chega para somar pontos… é preciso marcar golos.
Num jogo animado e muito disputado, com períodos de bem jogado, acabou por ganhar quem primeiro marcou, o que já tínhamos previsto ao intervalo.Numa tarde fria, mas sem chuva e até com sol, Pedrógão de São Pedro e Vitória de Sernache conseguiram proporcionar ao público que se deslocou ao Tenente Manuel Morais um espectáculo agradável, lutando de forma desinibida pela vitória, sem que se visse nenhuma das equipas com receio de perder o jogo.Apesar das boas trocas de bola e da facilidade com que as equipas faziam as transições dos seus sectores mais recuados até aos homens mais avançados no terreno, foram muito escassas as oportunidades de golo ao longo dos primeiros 45 minutos, isto mais por culpa das defesas, que se mostraram sempre muito bem, especialmente ao não deixarem que o perigo chegasse muito perto dos dois guarda-redes.Em 45 minutos apenas Jorge Correia foi obrigado a uma intervenção difícil quando teve que desviar para canto um livre do lado esquerdo, de Caronho, que quase entrava rente ao poste direito da baliza do guarda-redes vitoriano.Ao intervalo, e porque as duas equipas tinham mostrado um nítido equilíbrio de forças, o empate era um resultado lógico, natural e justo.Na segunda parte ninguém abdicou de lutar para ganhar, mas pela eficácia que as duas defesas já tinham mostrado “cheirava” um pouco que aquele velho ditado “quem marcar um golo ganha” se podia aqui aplicar. E foi. Foi uma boa antevisão dos últimos 45 minutos.Num jogo muito igual Caronho marcou aos 52 minutos com um pontapé indefensável para Jorge Correia mas onde ficou a clara sensação que alguém dos forasteiros se esqueceu da marcação ao centro-campista pedroguense.A perder, António Joaquim mexeu. Perdido por um, perdido por dois ou três, e Likas e M’Passo, e a subida de Ricardo André no terreno, deram mais força ao último terço do terreno vitoriano, passando a equipa do Pinhal a dominar e a estar de armas e bagagens no meio campo contrário. No meio deste domínio estéril, Mário Pina ainda podia ter matado o jogo quando explorou muito bem a ausência do lateral esquerdo Ricardo André para se isolar, não decidindo da melhor forma o tempo de remate.Do outro lado, onde mais se jogava, era o jovem Ruben que evitava que a sua equipa perdesse a vantagem. Foram três defesas enormes, no curto espaço de dois minutos, que adiaram de forma definitiva o golo que o Vitória tanto fez para que acontecesse.Pelo que se viu, num jogo em que o empate não ficaria mal a nenhuma das equipas, o Pedrógão acaba por ficar com os 3 pontos porque soube defender com unhas e dentes o golo que Caronho marcou a abrir a segunda metade.
António Maia
www.antoniomaia.blogspot.com

domingo, 2 de novembro de 2008

2ª Jornada - FOTOS FUTSAL

Futsal - 2ª Jornada

Dia 1 de Novembro de 2008, primeiro jogo em casa. Tínhamos consciência das dificuldades pois iríamos enfrentar a equipa de Penamacor, que era considerada como uma das sérias candidatas á subida de divisão. Antes de falar do jogo, e como poderão ler a seguir, tivemos que “corrigir” algumas (muitas) questões levantadas pela equipa de arbitragem, relacionadas com o nosso MAGNIFICO pavilhão, cujos árbitros se encontrava ilegal , nas marcações, balizas, as nossas bolas também não serviram, enfim vontade a mais de complicar a uma equipa que só quer participar e cuja associação possivelmente deve ter feito a vistoria ao recinto, e aprovado e eu acrescento, NÓS até já fizemos um jogo no Peso,( PARA BOM ENTENDEDOR MEIA PALAVRA BASTA). Apesar do aparente favoritismo, o jogo começou e nos primeiros minutos verificou-se que a equipa do futsal do GDVS estava a conseguir equilibrar o jogo com a equipa adversária. Apesar de termos criado várias situações de golo, foi a equipa adversária que a meio da 1ª parte se adiantou no marcador. A “maltinha” do Futsal não se deixou ir abaixo e continuou a lutar, até que através do Fábio (Fagulha) que após uma assistência do Nélson (Fofinho) bateu o guarda-redes adversário fazendo assim o tento do empate. Após o empate a turma vitoriano comandou o jogo e Fábio voltou a facturar, levando o pavilhão ao rubro. Com 2-1 ao intervalo, justo diga-se, veio o intervalo e as palavras do “mister” sempre sábias para nos colocar mais á vontade e mais confiantes. No arranque da segunda parte fomos claramente superiores e foi com alguma naturalidade que chegamos ao 3-1, novamente através do Fábio que recebendo novamente um passe directo do guarda-redes conseguiu dilatar o marcador. Entrou-se no melhor momento do GDVS, que por mais duas vezes podia ter marcado não fora a pontaria demasiado certeira nos ferros da baliza e a eficácia do guarda redes visitante. Até que entrou em acção a pior equipa das três que estavam em campo, a equipa de arbitragem, que a partir de certa altura começou a tomar uma atitude claramente favorável á equipa forasteira, assinalando faltas contra a equipa do GDVS que só mesmo na mente (talvez conturbada) do árbitro faziam sentido. Com essa ajuda inesperada do árbitro (quem disse que os árbitros nos regionais são sempre caseiros?) a equipa do Penamacor recuperou da desvantagem, isto apesar de mais uma golo do Fábio, mas sentíamos que o árbitro estava a dar uma ajuda extra á equipa adversária, conseguindo assim atingir a igualdade a 4-4, isto num lance precedido de falta em que a equipa adversária, apesar de termos um jogador no chão, continuou a jogada fazendo a igualdade denotando uma enormíssima falta de “fair Play”. Chegou então, o momento chave do desafio, o segundo árbitro interpretando mal um comentário do jogador Diogo mostrou-lhe o segundo cartão amarelo, e o consequente vermelho expulsando-o do jogo. Foi um momento difícil de aceitar para todos nós, em particular para mim e para o “mister”, pois estávamos junto dele ficamos estupefactos ao ver aquela decisão, já que o comentário do Diogo em nada foi ofensivo. O “mister” não se conteve e por momentos houve alguma tensão. Foi um período difícil para a equipa que apesar de reduzida a 4 elementos, conseguiu suster as jogadas ofensivas da equipa adversária. Mas acabaria por sofrer o 4-5 através da marcação de um livre directo, pois através das faltas “imaginadas” pela equipa de arbitragem tínhamos atingido as 5 faltas. Mas demonstrando um carácter e um “querer” acima da média conseguimos chegar ao 5-5 a breves instantes do fim do jogo através do Tiago (Motha). Mas a sorte não queria nada connosco, e a poucos segundos do fim, e depois de um jogador da CB Penamacor na ânsia de fazer o golo, acaba por tirar a bola com a mão quando esta ia a entrar na nossa baliza, e como o arbitro não marcou mais uma vez a falta a nosso favor, ai a falta de sorte foi evidente, pois a jogada segue e um jogador adversário consegue ganhar três ressaltos consecutivos, a equipa de Penamacor chegou ao golo, conseguindo assim uma difícil vitória. Bola ao centro e termina o jogo. Neste jogo há que ressaltar a brilhante exibição de TODOS os elementos da equipa do GDVS, pois bateram-se com dignidade e em nada foram inferiores á equipa adversária, pois até esta reconheceu no final que os erros da equipa de arbitragem prejudicaram e muito esta nossa aguerrida e muito voluntariosa equipa, que demonstrou que apesar de novata na competição, cinco talvez não cheguem para nos vencer, hoje eram “sete” e foi por pouco… Não poderia acabar este texto sem agradecer a toda a imensa massa associativa que, quase encheu o pavilhão e do primeiro ao último minuto apoiou de forma incondicional a equipa. Para finalizar deixo o nome dos jogadores do GDVS que apesar de derrotados, saíram de campo de cabeça erguida e conscientes de que fizeram tudo o que lhes estavam ao seu alcance para dignificarem o emblema que orgulhosamente representam. Assim a equipa do GDVS era representada pelo Nelson, Tiago, Diogo, João, Miguel, Orlando, Tiago, Fábio, Eurico e Nuno.
MV e AA
Outro Comentário em:
Loading...