segunda-feira, 30 de março de 2009

Jogo

Ai está o jogo que muitos esperam ... Quarta Feira 20 Horas Pavilhão Municipal Fernando Vaz Serra Aparece

sábado, 28 de março de 2009

Resultados play off

Carvalhal Formoso - Ladoeiro 7:1 Sp. Covilhã - Casa Benfica Penamacor 4:5

sexta-feira, 27 de março de 2009

quinta-feira, 26 de março de 2009

segunda-feira, 23 de março de 2009

Final Taça Honra Futsal

Vitória ainda assustou benfiquistas de Penamacor Pavilhão Municipal de Castelo Branco Árbitros- Flávio Nunes e Paulo Abrantes Vitória de Sernache- Fofinho, Luís Silva, Diogo Ferreira, Edgar Manso, Orlando Brito, Tiago Mota, Fábio Fagulha, Tiago Ferreira, Tiago Coluna, Vasco Mendes, Nuno Melo e Igor Ferreira Treinador- António Joaquim
Casa do Benfica de Penamacor- Cadete, Arménio, João Cruto, Tiago, Pelly, Marquito, Gonçalo, Marcelino, Perry, João Costa, Ivo Gabriel e Lileu Treinador- Bruno Travassos
Disciplina- Amarelo a Arménio aos 23 Marcadores- Diogo Ferreira aos 19 e 21, Fábio Fagulha aos 24, Tiago Mota aos 26 e Igor Ferreira aos 39; Tiago aos 3 e 25, Marquito aos 18, Arménio aos 25 e 29, Lileu aos 26 e Perry aos 37 Na final da Taça de Honra Carlos Ranito Xistra, apresentaram-se duas equipas com percursos diferentes no campeonato. De um lado a equipa penamacorense, com jogadores mais experientes, habituados a estas andanças, e que vai estar presente na fase final do nosso distrital. Do outro o Vitória, que terminou o campeonato na 5ª posição, com um grupo em fase de construção, já que esta é a primeira temporada de futsal no clube, e que cometeu a enorme proeza de eliminar o super-favorito Ladoeiro nas meias-finais. Partindo destes pressupostos foi compreensível a toada do jogo nos minutos iniciais. Uma Casa do Benfica a mandar no jogo, a jogar sempre no meio terreno adversário, e uns vitorianos conscientes da mais valia adversária, a jogar muito organizados na sua defensiva para depois tentarem surpreender em contra-ataque, quase sempre lançados pelo guarda-redes Fofinho. Mas logo aos 3 minutos os da Raia adiantaram-se no marcador por intermédio de Tiago e até aos 10 minutos ainda podiam ter ampliado a diferença, pois foi neste período em que foram mais dominadores. A partir do meio da primeira parte o jogo inverteu-se. O Vitória, a jogar com mais velocidade, e depois de perder o “medo” inicial, soltou-se e começou então a criar muitas situações de perigo junto da baliza adversária. Nesta fase era a má pontaria ou as boas intervenções de Cadete que iam evitando que o empate voltasse ao marcador. Mais emoção estava reservada para o derradeiro par de minutos. Marquito aumentou para 2-0 mas, praticamente na resposta, Diogo Ferreira respondeu, reduzindo para a margem mínima. A primeira parte terminou com um golo do Vitória, que acabou por não ser considerado, e bem, pela dupla de arbitragem, uma vez que o “bip” final soou antes do remate de Fagulha. Mas este lance acabou por servir de tónico para os vitorianos que logo no reatamento, parecendo que nem tinha passado o intervalo, entraram a carregar, resultando dessa pressão a merecida cambalhota no placard. Diogo Ferreira logo no primeiro minuto e Fagulha aos 4, foram os autores da proeza. Era um resultado que o Sernache fez por merecer, mesmo sabendo-se que ainda muito tempo havia por jogar. E a verdade é que a equipa de António Joaquim acabou por não saber conviver com a vantagem. Quando se pedia circulação de bola e contra-ataques rápidos, os nervos e o cansaço acumulado, foram mais fortes, e acabou por ser de forma natural que a Casa do Benfica embalou para uma recta final forte, mostrando agora sim que é melhor equipa, que tem mais individualidades, levando o resultado até um 7-4 atenuado já no minuto final por Igor Ferreira. Os penamacorenses levam a Taça, merecidamente, os vitorianos vão guardar a experiência de, logo no ano de estreia estarem num jogo que decide um troféu. Arbitragem com erros mas sem influência o resultado final.

domingo, 22 de março de 2009

sexta-feira, 20 de março de 2009

Jornal Futsal

Clique para abrir

quarta-feira, 18 de março de 2009

Já estou a reservar lugar.
Reserve também.
Venha apoiar-nos.
Você é importante.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Equipa do Grupo Desportivo Vitória Sernache vai estar presente na final da taça de honra Carlos Ranito Xistra.

domingo, 15 de março de 2009

EXCURSÃO TAÇA HONRA - FUTSAL

Autocarro para assistir a Final Taça Honra Futsal Sábado 21 Março de 2008 saida ás 14:00 Horas Preço 5,00€ e oferta de um cachecol do Vitória Sernache Inscrições: Bar Clube Keeper Sport 967 036 772 até dia 18 março

D. NUNO ÁLVARES PEREIRA

D. NUNO ÁLVARES PEREIRA PERPETUADO NUM INTEIRO POSTAL DOS CTT Convido-o(a)s a entrar no link abaixo indicado http://www.petitiononline.com/inpostal/petition.html e aqui subscreverem a petição onde se solicita aos Correios de Portugal que assinalem pelo meio sugerido, a canonização de D. Nuno Álvares Pereira, como Santo de Portugal.

Última Jornada Futebol

Com o empate que o Pedrógão alcançou em casa, perante o Valverde, na última jornada da primeira fase de Liga Piornos, a equipa do concelho de Penamacor vai juntar-se a Alcains, Águias do Moradal e A.D.Fundão, para entre os quatro clubes se encontrar o campeão distrital. Os quatro emblemas apurados vão partir com metade dos pontos conquistados nesta fase, com Alcains e Moradal em melhor posição para poderem discutir o titulo de campeão, ou seja: Alcains parte com 27, Águias do Moradal 24, A. D. Fundão 19 e Pedrógão 18 pontos. O jogo que se realizou em Pedrógão de S. Pedro foi disputado até ao último segundo, Foi emotivo com o que se passava dentro das quatro linhas e contribuiu para alguma agitação no exterior. A equipa da casa necessitava apenas do empate para conseguir o apuramento, enquanto que ao Valverde só a vitória lhe poderia dar a presença na fase final. A equipa do concelho do Fundão foi a primeira a marcar, por Ricardo Silva, à passagem do minuto 31, na sequência de um livre e só muito próximo do final é que a turma de Xana conseguiu chegar à igualdade, com um golo de Caronho. Foi com este tento que Pedrógão de S. Pedro garantiu a presença na fase final da prova ( crónica do jogo à parte neste site ) No Fundão as emoções também foram grandes, quer dentro quer fora do relvado. Os fundanenses venceram por duas bolas a zero o líder do campeonato, Alcains, num jogo que voltou a ter em João Paulo o homem da partida, por terem sido da sua autoria os dois remates certeiros que estiveram na origem dos dois golos com que venceram o encontro. As duas equipa vão disputar a fase final do campeonato ( crónica do jogo à parte neste site ). O Proença tinha ainda uma palavra a dizer com relação ao quarto lugar da tabela classificativa. Para que os homens de Quim Manuel tivessem possibilidades de chegar ao apuramento tinham, necessariamente que vencer em Oleiros e tinha que ficar à espera que Valverde vencesse em Pedrógão. Ora, como se sabe, não foi nada disso que aconteceu. O Proença perdeu em Oleiros, por 3-1 e o Valverde não foi além do empate em Pedrógão. Era uma tarefa que já se adivinhava complicada, como acabou por acontecer. O segundo classificado ainda passou por momentos de apuro no Teixoso mas depois lá conseguiu impor-se com um triunfo por 2-3. A equipa do Estreito foi a primeira a marcar, deixou que o Teixosense desse a volta ao marcador mas depois voltou a ter o discernimento para marcar mais dois golos que lhe permitiu somar o 15º triunfo da época e ficar a três pontos do Alcains, quando se iniciar a segunda fase do campeonato. Sem dificuldades o Vilarregense desenvencilhou-se da equipa de Escalos de Cima, com um triunfo por 4-0, despedindo-se do campeonato em grande estilo, mas muito aquém daquilo que se esperava desta equipa de Vila de Rei. Para quem tanto prometia, a formação de Pedro Sampaio ficou-se apenas pelo 10º lugar com apenas seis vitórias conquistadas. O que se disse para o Vilarregense também se aplica ao Vitória de Sernache. A equipa de António Joaquim também se despediu em grande estilo do campeonato, mas também ficou muito aquém da classificação que todos esperavam que a turma de Cernache do Bom Jardim viesse a alcançar. O Vitória venceu a Lardosa por claros 5-0, mas em termos de classificação ficou-se pela 7ª. Posição, averbando apenas 8 triunfos nos 22 jogos realizados. Para uma equipa que já passou, com grande sucesso, pela 3ª divisão, e que contou com o apoio incondicionalmente da população, achamos que está na hora de todos quantos trabalham no Vitória, o clube mais representativo da vila, passarem a ter mais e melhores apoios para que de futuro a localidade possa, também, ter uma equipa que lute pelos melhores lugares do campeonato. Perante o actual quadro competitivo, ficam sem competir oito dos doze clubes que disputaram esta liga piornos. Valverde, Proença, Sernache, Teixosense, Oleiros, Vilarregense, Escalos de Cima e Lardosa. Vão ser mais de cinco meses que os atletas destes clubes vão ficar sem competir. Algo que tem que ser revisto num futuro próximo.

terça-feira, 10 de março de 2009

Final Taça Honra - CARTAZ

http://portal2.fpf.pt/portal/page/portal/PORTAL_FUTEBOL/CASTELO_BRANCO/Ficheiros%202008/Diversos/cartazfinaltacahonra2.pdf

13ª Jornada Futsal

Sábado 07 de Março de 2009.
Era o último jogo em casa, pelo que a “maltinha do futsal” gostaria de se despedir dos seus apoiantes com uma vitória. O jogo não seria fácil, pois o nosso adversário era somente o líder do campeonato, que para o mesmo ainda não tinha provado o sabor da derrota. Alias a única derrota em provas oficiais desta época foi mesmo a copiosa derrota que averbou quando nos visitou para a Taça. Relembramos que nesse jogo o GDVS saiu vitorioso por uns expressivos 10-2 que nos deram o acesso a final da taça que irá ser disputada em Castelo Branco no próximo dia 21 de Março. Por tudo isto sabíamos de antemão que o jogo era difícil e importante para ambas as equipas, pois se a nós a vitória assegurava-nos o quinto posto, ao Ladoeiro também interessava a vitória para seguar o 1º posto, que lhe poderá dar alguma vantagem nos Play-off. O jogo começou com a equipa do Ladoeiro remetida no seu meio campo a espera das nossas iniciativas. Via-se que eles estavam claramente à nossa espera, dando-nos a iniciativa do jogo. E se eles dão, nós aceitamos, pelo que lá fomos tentando chegar ao golo logo no início do jogo. Mas só iríamos conseguir inaugurar o marcador aos 5’27 através de um remate de meia distância do Igor. Era um resultado justo, pois foi o culminar de diversas situações de perigo que criamos junto da baliza adversária. O golo como que acordou a equipa do Ladoeiro, que aumentou a intensidade das suas jogadas ofensivas e acabaria por chegar a empate ao minuto 7, através da sua “jogada clássica”, pivot abrindo para o ala. Este contratempo não nos desanimou e continuamos a procura de mais um golo. Golo, que acabaria por surgir ao minuto 9’39, na sequência da marcação de um pontapé de canto, onde aparece o Fagulha a cabecear solto ao 2º poste. O jogo estava intenso com ocasiões de golo de ambas as partes, talvez nesta fase se verificasse um ligeiro ascendente da equipa do Ladoeiro, mas as iniciativas iam esbarrando sempre nas brilhantes e seguras intervenções do nosso guarda-redes, hoje o Tiago coluna, que com uma mão cheia de boas defesas ia negando o golo à equipa adversária. Mas a passagem do minuto 27 iria surgir o golo do empate. Empate que iria manter-se até final da primeira parte. O início da segunda parte acabaria por ser o momento chave do jogo, pois nessa fase o GDVS acabaria por desperdiçar diversas ocasiões flagrantes de golo. Ainda estamos a pensar como desperdiçámos uma ocasião onde apareceram três jogadores do Vitória perante o guarda-redes adversário e não concretizamos. Nesse período várias foram as oportunidades que o GDVS teve para fazer o golo, mas acabaria por desperdiçá-las a todas. E como no futebol “quem não marca acaba por sofrer”, assim foi ao minuto 16’43, o Ladoeiro iria chegar ao 3-2, num lance que poderia ter sido evitado, pois surgiu numa má reposição de bola da nossa parte. Mas apesar de termos sofrido este revés, continuamos com atitude, a procura do golo do empate. Conseguimos remeter a equipa do Ladoeiro ao seu meio campo, mas esta lá ia conseguindo segurar a vantagem no marcador. Mais uma vez, criamos algumas boas ocasiões de golo, mas o golo não surgia. Até ao final do jogo apenas há a destacar mais um golo da equipa do Ladoeiro, já na recta final do jogo e para o facto de ambas as equipas terem atingindo a 6ª falta, mas aí houve um empate, pois ambas desperdiçaram a oportunidade de marcar na marcação do livre de 10 metros. Apesar da derrota, a “maltinha do futsal”, mostrou atitude e vendeu cara a derrota. E quanto à equipa do Ladoeiro há apenas a lamentar a falta de ética de alguns dos seus jogadores, que demonstraram não saber ganhar, e uma coisa podem ter a certeza, não foi esta vitória tangencial que irá vingar a humilhante derrota com que eles foram eliminados da taça, 10-2!!! E nesse jogo nós poderíamos ter gozado com eles e não o fizemos. Mas também aqui fica demonstrado o carácter dos nossos jogadores ao contrário dos “meninos mimados” do Ladoeiro. Agora há que aguardar a última jornada para segurar o quinto lugar, num jogo que também será difícil, pois iremos à Covilhã defrontar o Sporting local, num jogo onde acima de tudo também não queremos perder nenhum elemento, pois queremos estar na máxima força para o jogo da final da taça.

sábado, 7 de março de 2009

Boletim Futsal

Clique
na
imagem

domingo, 1 de março de 2009

12ª jornada FUTSAL

Sábado 28 de Fevereiro de 2009. O GDVS iria defrontar a equipa de Caria num jogo importantíssimo para a “maltinha do Futsal”. Era importante vencer pois vínhamos de uma série de derrotas que começavam a afectar a união do grupo e além disso, perdido que estava o 4º lugar que nos daria acesso aos “Play-off” finais, era importante não perder o 5º lugar, que apesar de todo no nosso na de estreia não deixa de ser um lugar muito meritório. Aliás foi esse o diapasão do discurso do mister antes do início do jogo. O jogo começou e desta vez não sofremos um golo antes da passagem do 1º minuto, como vinha sendo hábito nos últimos jogos. O GDVS ia controlando o jogo pois o Caria limitava-se a esperar por nós, dando-nos a iniciativa do jogo. Até que finalmente surgiu o nosso primeiro golo, aos 3’53” por intermédio do Eurico, que com um remate bem colocado fora de área bateu o guarda-redes adversário fazendo o 1-0. Este golo trouxe-nos alguma tranquilidade e apesar de não estarmos a fazer uma exibição de “encher o olho”, poderíamos por diversas ocasiões ter dilatado o marcador. O jogo parecia que era fácil pois o GDVS demonstrava ser superior. Mas as bolas não entravam, e os nossos índices de confiança iam sendo afectados por essa inoperância ofensiva. O 2-0 iria finalmente surgir a passagem do minuto 32’, numa bela triangulação finalizada pelo Fagulha. Pensávamos que com a marcação do segundo golo iríamos partir para uma bela e Conseguir dilatar a vantagem, mas assim não sucedeu, pois aos 33’40”, o Caria iria conseguir bater o Tiago Coluna (que até então tinha feito um par de belíssimas intervenções) e reduzir o marcador para 2-1. Foi com esta vantagem magra que fomos para o intervalo. Na 2ª parte começamos novamente com o controlo do jogo, limitando-se a equipa do Caria a tentar explorar lances de contra ataque. Mas o GDVS ia afunilando muito o jogo não conseguindo chegar ao golo. Ou era o guarda-redes a defender, ou eram os ferros a devolver as nossas bolas, a verdade é que não conseguíamos dilatar a vantagem. E como quem não marca acaba por sofrer, assim sucedeu aos 8 minutos com o Caria a chegar à igualdade. Depois do golo sofrido o GDVS tentou (nem sempre da melhor maneira) chegar ao golo da vantagem, mas não as coisas não estavam a sair. Nota-se algum abaixamento de forma nalguns jogadores do GDVS o que influencia em muito a forma como costumamos jogar. E o pior aconteceu, aos 25 minutos o Caria iria passar para a frente no marcador, num lance rápido, pois aproveitou algum desnorte da nossa equipa num lançamento lateral para chegar ao 3-2 favorável à equipa forasteira. Este resultado em nada nos interessava e lá fomos em cima do adversário para tentar inverter o resultado. Nem sempre da melhor maneira, é um facto, mas o 3-3 finalmente iria surgir ao minuto 29 por intermédio do Igor que finalmente conseguiu colocar a bola no fundo das redes. Faltava ainda muito tempo e sabíamos que era possível dar a volta ao marcador. E finalmente ao minuto 33’ conseguimos marcar o 4-3 através do Mota. Agora era importante saber defender e manter esta vantagem importantíssima. Nestes últimos dois minutos conseguimos suster as iniciativas da equipa adversária e até conseguimos dilatar o marcador num lance de insistência do Diogo que assim fechou o resultado final em 5-3. Foi de facto melhor o resultado do que a exibição, mas era importante vencer para conseguir cimentar o quinto posto, que volto a destacar é um lugar de destaque para a “maltinha do futsal” no seu ano de estreia.
Loading...