domingo, 31 de dezembro de 2006

Um pouco de história

Como tudo começou... Foi a 1 de Agosto de 1948 que teve início o então Viação de Cernache...

domingo, 24 de dezembro de 2006

FELIZ NATAL a todos os sócios e simpatizantes


Ao Natal...

Nesta quadra festiva que se espera seja de paz e alegria, podíamos estar aqui, quem sabe a fazer um balanço do trabalho até aqui realizado, das peripécias por que passámos, do nevoeiro que se abateu nalguns campos de futebol, do surgimento do D. Sebastião ou da Nave que nos atropelou, dos nossos erros e, ou das nossas virtudes...
... mas este não será o momento mais oportuno, e o nosso objectivo neste texto é dirigirmo-nos aos nossos sócios e simpatizantes, e a todos aqueles que nos acompanham seja perto ou longe, para desejar que tenham saúde, paz e alegria nesta quadra Natalícia.
Não nos dirigimos só aqueles que nos apoiam, somos também para aqueles que nos criticam e que mais força dão para que desenvolva-mos o nosso trabalho com empenho e dedicação, sabendo que vivemos em liberdade e que a oportunidade deles chegará rápido e aí talvez, também nós possamos expressar-nos livremente.
A todos os atletas que fazem parte desta instituição, bem como todos aqueles que no dia a dia connosco trabalham para que o VITÓRIA amanhã possa ser um clube melhor, BOAS FESTAS.

Voltaremos para falar de futebol e do G. D. V. Sernache no início do próximo ano de 2007.

Quase Natal

Véspera de Natal...




Era véspera de Natal. O Pai Natal estava a preparar-se para começar a viagem... . O trenó estava cheio de presentes, as renas estavam a acabar de comer. Estavam todos ansiosos!
Depois começou a sua longa viagem pelo céu. A certa altura atravessaram uma nuvem quase gelada. As renas arrepiaram-se e despistaram-se... . Perderam-se...
Eles andavam perdidos pelo céu, as renas andavam de um lado para o outro e, como o trenó estava muito cheio, começaram a cair presentes. O trenó ia indo cada vez mais para baixo e foram bater numa árvore.
As renas ainda estavam arrepiadas e o Pai Natal já pensava:
"- Se eu não deixo os presentes nos sapatinhos, as crianças vão pensar que eu não existo."
-Vamos, renas, temos de voltar para o céu para finalmente distribuirmos os presentes.
Mas, quando o Pai Natal reparou, o trenó estava partido. Eles tinham que refazê-lo. Então, repararam que alguém ainda tinha a luz acesa. O Pai Natal foi lá e perguntou:
- Pode emprestar-me um martelo e parafusos?
- Sim, eu empresto-lhe.- disse o sapateiro que ainda trabalhava.
- Obrigado. - disse o Pai Natal.
Depois de o trenó estar pronto, foram começar a distribuir os presentes.
Quando acabaram de distribuir os presentes, foram para casa felizes por terem resolvido tudo.


"Natal é sempre que o homem quiser" e o espirito nataliçio deve estar sempre presente...

quarta-feira, 20 de dezembro de 2006

Jantar de Natal


JANTAR DE NATAL


Realizou-se esta terça feira o nosso jantar de natal oferecido pela direcção. Foi uma noite animada onde reinou a boa disposição e prevaleceu o bom humor de todos os presentes.
Com a presença em peso da direcção e de quase todos os atletas, foi servida a bola sopa de legumes, seguida pelo maravilhoso lombo com batata e como sobremesa, o tradicional doce da casa, que para alguns serviu de prato principal. De salientar o apetite de alguns comensais que não ligaram ao forte tempero que alguns pratos usufruiam. Depois do café e do respectivo digestivo, houve lugar a tradicional troca de prendas entre os presentes, podendo-se apreciar os mais variados objectos. De realçar que todos tentaram encontrar o objecto mais especial.
Houve ainda lugar aos já habituais discursos, e ás varias brincadeiras de grupo que como se pode imaginar foram para todos os gostos.
Terminada esta etape houve lugar a mudança de habitat e a noite prolongou-se com jogos de cartas, e beberetes alegres.
Foi uma noite de forte convívio que esperamos tenha continuação noutras quadras festivas...

12ª Jornada

G.D.V. Sernache - 0 A. D. Fundão - 0 Arbitro. Carlos Silva aux. por João Diogo e Bruno Duarte Vitória de Sernache: 1 - Vilela 2 - Bastinho 3 - Tomás 4 - F. Miguel 5 - Pedro 6 - J. Viana 7 - Velho 8 - Dani 9 - Maçaroco 10 - M- Farinha 11 - Mpasso Substituições: M. Farinha por Fredy, Mpasso por P. Lopes e Dani por Rogério

Depois de três jogos seguidos fora de casa, eis que o Vitória voltou a actuar perante o seu público e contra um dos candidatos assumidos á conquista do troféu.
Os Vitórianos com a moral em alta com os bons resultados ultimamente conseguidos entraram no jogo com alguma vergonha pelo adversário, que também mostrou receio pelo opositor. Foi com o jogo muito mastigado a meio campo que se assistiu aos 30 minutos iniçiais da partida, altura em que o Sernache assumiu o jogo e criou duas ou três situações de perigo para a baliza fundanense, que apenas pou uma vez incomodou o guarda-redes vitoriano. Realçe aqui para um lance na área do Fundão, merecedor de grande penalidade que o árbitro e seu auxiliar perto da jogada, não assinalaram.
Na 2ª parte o jogo manteve-se equilibrado, com os lances de perigo a surgirem esporadicamente e com a equipa do fundão á medida que o relógio avançava a satisfazer-se com o resultado e com o Sernache a ter mais iniçiativa de jogo mas as situações mais claras de golo a acontecerem só já perto do final, onde inclusivamente no derradeiro lance da partida a bola a ultrapassar a linha de golo da baliza do fundão mas com o árbitro e seu auxiliar a não quererem confirmar. Erro de Carlos Silva e seu auxiliar com o vitória de Sernache a ter razões de queixa. . .

quinta-feira, 14 de dezembro de 2006

Aniversários


Como já foi aqui referido, esta semana tivemos mais um aniversariante na equipa... foi o António Joaquim que fez anos na passada terça feira dia 12 de Dezembro. Como é hábito, no final do treino, houve direito a bolo acompanhado pelo belo do suminho. a sempre apetecível coca cola e o fino champanhe. Cantou-se os parabéns, com muitos carolos pelo meio e no fim o tão desejado banho de água gelada.

Mas as comemorações não ficam por aqui, depois do treino de hoje, o mister vai oferecer o jantar a todo o plantel... Assim é que é! :)
Amanhã haverá mais novidades... até lá e parabéns António!

segunda-feira, 11 de dezembro de 2006

11.ª Jornada

Atalaia do Campo- 3
Vitória de Sernache- 4

Equipa titular do Sernache:
1- Vilela
2- Bruno Bastinho
3- Tomás
4- F.Miguel
5- Pedro
6- João Viana
7- Rui Daniel
8- Dani
9- Maçaroco
10- Miguel Farinha
11- Mpasso

Suplentes:
12- António Joaquim
13- Dário
14- João Paulo
15- Rogério
16- Filipe Amaro
17- Fredy
18- Rui Domingues

Substituições: Miguel Farinha por Fredy; Maçaroco por Rogério; Mpasso por Filipe Amaro

Espectacular e emotivo jogo que se realizou este domingo no campo 23 de Maio, reduto do líder do campeonato, a Atalaia do Campo.
O jogo começa praticamente com a equipa do Sernache a marcar, bola de saída para o Vitória, Mpasso é lançado em profundidade e depois de alguma insistência consegue inaugurar o marcador ainda não estava cumprido o primeiro minuto de jogo. Estava assim lançado o mote para aquele que viria a ser, seguramente, um dos melhores jogos deste campeonato...
O líder do campeonato, que contava por vitórias todos os jogos realizados em casa, acusa o golo e fica surpreendida com a entrada de rompante do Sernache que iria estar muito perto de fazer o segundo, Bruno Bastinho tem boa jogada pela esquerda e á saída do guarda-redes remata mas a bola sai a centimetros do poste.
O jogo continuava muito vivo e muito disputado, onde as situações de perigo andavam sempre perto de uma e outra baliza... e foi através de um pontapé de canto que surge o empate, bola cortada para fora da área onde aparece um jogador da Atalaia, sem marcação, que aproveita para encher o pé e fazer o 1-1.
O Sernache não acusa o golo e continua a jogar o jogo pelo jogo, sempre com o pensamento na vitória. Jogada pela esquerda do ataque vitoriano e após insistência de Miguel Farinha, este é carregado dentro da área. Falta clara para grande penalidade, ficando por mostrar o respectivo amarelo, Na marcação, Fernando Miguel não perdoa e dá nova vantagem á equipa do Vitória.
O jogo continuava louco e passados poucos minutos, a Atalaia iria conseguir de novo o empate... alguma confusão na área e aparece um jogador da casa a encostar para o fundo da baliza de Vilela. Quase não deu para saborear a nova vantagem e o pior ainda estava para vir para o Sernache antes do intervalo, cruzamento da direita e á entrada da área novo remate de primeira e novo golo para a Atalaia... estava consumada a reviravolta no marcador e o intervalo chega com sabor a injustiça para os comandados de António Joaquim que não mereciam tar em desvantagem no marcador por 3-2.

Para a segunda parte surge uma Atalaia a tentar controlar o jogo, sem ter grandes pressas e a tentar manter o perigo longe da sua baliza. Isso é conseguido durante algum tempo, não porque o Sernache tenha abdicado de tentar chegar ao golo mas porque havia mérito da equipa da casa que até dispôs de uma boa situação para fazer o quarto golo mas Vilela defende bem.
O Vitória nunca perdeu a cabeça, nem se descontrolou neste periodo de maior domínio da Atalaia e eis que a meio da segunda parte toma definitivamente conta do jogo e parte para cima do adversário na procura da vitória...

... as alterações vieram dar ainda mais força á equipa, que consegue de novo empatar a partida através de um cabeceamento de Dani que colocava o marcador em 3-3.
Continuava o bom período da equipa do Sernache que continuava a acreditar que podia chegar á vitória e foi isso mesmo que aconteceu... boa jogada de Mpasso pela direita que centra para a área onde aparece Bruno Bastinho a antecipar-se a toda a gente e a fazer o golo que dava a vitória á sua equipa por 4-3 e ditava a primeira derrota do líder do campeonato, que ainda por cima jogava no seu reduto. Daqui até final ainda tempo para que a equipa despercidasse duas soberanas ocasiões de golo por Fredy, mas sem mais alterações no marcador.

Vitória muito importante, justa e merecida num grande jogo de futebol com uma óptima atitude de ambas as equipas que sempre procuraram a vitória jogando lealmente.

Mexidas


Paulo Lopes regressa ao vitória
Esta semana houve uma alteração no nosso plantel. Registou-se uma saída e uma entrada de atletas. Filipe Barata deixou o clube por vontade própria e procurou nova sorte por outras paragens... opções!
Em contrapartida, registou-se o regresso de Paulo Lopes ao V. Sernache que assim volta a juntar-se a este grupo depois de uma curta passagem por outro clube.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

10.ª Jornada

Póvoa Rio de Moinhos- 0 Vitória de Sernache- 2 Equipa Titular do Sernache: 12- Vilela 2- Bruno Bastinho 3- Tomás 4- F.Miguel 5- Pedro 6- João Viana 7- Rui Daniel 8- Dani 9- Maçaroco 10- Miguel Farinha 11- Mpasso Suplentes: 1- António Joaquim 13- Dário 14- João Paulo 15- Rogério 16- Filipe Amaro 17- Fredy 18- Filipe Barata Substituições:Miguel Farinha por Fredy; João Viana por Filipe Barata; Mpasso por Rogério O jogo começa de uma forma algo atabalhoada e confusa, onde a bola é quase sempre jogada pelo ar e onde se verifica, nos primeiros minutos de jogo, uma ligeira superioridade da equipa da casa que aproveita alguma apatia e lentidão do Sernache. Passado esse período e já com as marcações devidamente acertadas pela sua defensiva, o Vitória começa aos poucos a assumir o controlo do jogo e a tentar jogar de forma organizada e com a bola rente ao solo, mas não tava fácil conseguir criar perigo junto da baliza da Póvoa que defendia com marcações fortes e sempre com grande disponibilidade dos seus jogadores em não dar espaço aos Vitorianos. A toada do jogo foi-se mantendo, muita luta a meio campo e sem que houvesse grandes situações de golo... Vilela nunca foi verdadeiramente incomodado e no outro lado apenas por uma vez o guardião da Póvoa foi obrigado a intervir com uma grande defesa. O nulo ao intervalo era um resultado justo... Para a segunda parte o Sernache toma consciência que precisa fazer algo mais para vencer o jogo e entra disposto a isso mesmo... assume o controlo do jogo, começa a jogar melhor, a chegar primeiro á bola que o seu adversário e assim começam a surgir as oportunidades de golo que faltaram no primeiro período. João Viana, de fora da área, remata para grande defesa do guarda redes da casa... Bruno Bastinho, em boa posição, remata para mais uma óptima defesa do guarda redes... Depois de boa jogada colectiva, Dani surge frente ao guarda redes mas este consegue parar o remate forte do numero 8 do Vitória. O golo não surgia e a Póvoa tentava, novamente, equilibrar o jogo mas só através de contra ataques ou remates de longe dava trabalho a Vilela. Assistia-se agora a um jogo de toada e resposta, mas foi o Sernache quem finalmente chegou ao merecido golo... pontapé de canto cobrado por Rui Daniel, Mpasso cabeceia a bola e á boca da baliza surge Bastinho a facturar. Pouco depois veio o segundo golo que acabou em definitivo com a resistência da equipa da casa... Fredy é lançado pelo lado direito, corre até á área onde cruza para Mpasso, este amortece a bola para Dani que vinha de trás e estava assim feito 2-0 final. Vitória justa, mas também suada da equipa do Sernache que soube sempre acreditar que ia conseguir marcar e que nunca se desorganizou ao longo do jogo.

Bastidores

Pois é, toda a gente gosta de saber o que se passa nos bastidores desta grande instituição que é o G.D.V. Sernache. Ele e o rei das camisolas, o ditador das máquinas de lavar, o magnata do detergente, o imperador do calçonito e da peúga... ele é Augusto Pereira, o digníssimo roupeiro do Vitória



Para quem não sabe, é o individuo de febra na mão, aqui caçado pelos paparazzi na festa de anos do Maçaroco. E nestas ocasiões é sempre o primeiro a chegar e o último a saír, nem que para isso tenha que se descurar das suas funções. Mesmo nestas situações o homem não ta contente e sempre a resmungar. Vá-se lá entende-lo.

Já agora, o Maçaroco é este tipo que aqui aparece a querer dizer alguma coisa, mas que afinal não diz nada.



Este último é um tipo porreiro! Ofereceu uma festa aos amigos... Comeu-se bem e bebeu-se ainda melhor... Uma coisa é importante que fique clara. Ficou bem patente a responsabilidade que estes jogadores demonstraram, mesmo numa situação de festa... ninguém bebeu nada que fizesse mal, todos se comportaram como profissionais... Se não acreditam perguntem ao senhor de vermelho de febra na mão ;)

"Vivó Vitória!"
Loading...