domingo, 23 de novembro de 2008

9ª Fornada Futebol Séniores

Nem atou, nem desatou…
Campo de Valverde
Árbitro- Alexandre Rato (4), auxiliado por Diogo Venâncio e David Afonso
Valverde- João Augusto (3), Ricardo Silva (3), Dinis Gonçalves (3), João Alves (3), Daniel Alves (3), Cristophe (3), Miguel Duarte (3), Hugo Gigante (3), Janilson (3), Gonçalo (3) e Flávio Cunha (3)
Treinador- Micas
Vitória de Sernache- Jorge Correia (3), Paulo Lopes (3), Ricardo André (3), Fernando Miguel (4), Likas (3), Luís Filipe (3), Dany (3), Tiago Farinha (3), Dário (3), Miguel Farinha (3) e João Gaspar (3)
Treinador- António Joaquim
Substituições- Flávio Cunha por Daniel Santos (2) aos 58, Gonçalo por Nuno Martins (2) aos 65 e Janilson por Zé Luís (1) aos 74; Paulo Lopes por Filipe Barata (2) aos 69 e Miguel Farinha por Fredy (1) aos 76
Disciplina- Amarelos a Dinis Gonçalves aos 89; Fernando Miguel aos 85
O Vitória de Sernache- Tentou jogar para ganhar mas sentiu muitas dificuldades na adaptação ao terreno de jogo. O meio campo viu muitas vezes a bola passar-lhe por cima o que prejudicou a construção de jogo ofensivo.
Provavelmente não andaremos muito longe da verdade se dissermos que mesmo que ainda lá estivessem a jogar, com certeza o nulo continuava no placard. Mas não foi por falta de empenho ou de ambição que não aconteceram golos. Não. Valverde e Vitória tentaram sempre jogar para ganhar, mas a verdade é que, por um motivo ou por outro as oportunidades construídas foram escassas e daí ser justo o nulo final.Entrou melhor o Vitória, que logo no segundo minuto podia ter marcado, não fosse João Augusto opor-se da melhor forma a um remate forte de Paulo Lopes mas muito em cima do guarda-redes contrário.Até ao intervalo, para além da muita luta a meio campo e do excessivo tempo que a bola passou pelo ar, apenas se deu conta de mais dois lances perigosos, um para cada lado. Aos 13 minutos João Alves trabalhou bem pela direita do ataque da sua equipa, ganhou a linha de fundo mas, a um cruzamento tenso para a frente da baliza de Jorge Correia, não apareceu nenhum companheiro a fazer aquilo que até seria o mais fácil: empurrar a bola para dentro da baliza.Já pouco depois da meia hora foi Likas a não ver um excelente trabalho seu pela direita do ataque vitoriano a ser concluído da melhor forma. O lance do ponta de lança da equipa do Pinhal pode considerar-se mais de meio golo, até porque, para além de ter conseguido ganhar a linha de fundo, ainda cruzou açucarado para onde aparecia Miguel Farinha. Este, como que deslumbrado, atirou frouxo e sem direcção, desperdiçando mesmo aquela que, soube-se no final, haveria de ser a melhor oportunidade de todo o jogo.O descanso parece ter feito bem aos da casa que logo no segundo minuto assustaram Jorge Correia, quando este viu Janilson cabecear já na pequena área ligeiramente por cima da trave. Só que este domínio inicial, e a tentativa de entrar para surpreender, foi-se diluindo, até chegarmos, em escassos minutos, a novo ponto de equilíbrio.E daqui até final, mesmo correndo o risco de nos tornarmos repetitivos, só deu para tomar nota de mais dois lances que quebraram o marasmo e que serviram mais que tudo para baixarmos a cabeça para o terreno de jogo. Aos 66 minutos Paulo Lopes respondeu fraco, de cabeça, a um cruzamento de Luís Filipe, e dez minutos depois, do lado oposto, foi Jorge Correia a ter que se arrojar junto ao seu poste esquerdo para evitar males maiores.Por tudo o que se passou ao longo do jogo, e foi pouco para o valor das duas equipas, o nulo é um castigo justo tanto para Valverde, como para Vitória de Sernache.
IN
Antoniomaia.blogspot.com

4ª Jornada Futsal

Dia 22 de Novembro de 2008, dia este que fica na história do GDVS, pois trata-se do dia em que a “maltinha do Futsal” obteve a sua primeira vitória em jogos oficiais. O adversária era a equipa da Bouça, que apenas tinha um ponto a mais do que nós na classificação. Antes do jogo o “mister” teve uma conversa séria com os jogadores, alertando-os para a necessidade de encarar este jogo como se fosse contra uma equipa do cimo da classificação, mas que tínhamos aqui uma excelente oportunidade de alcançar a primeira vitória, pelo que teríamos de estar concentrados e não ter medo de assumir o jogo. E foi assim que a equipa iniciou o jogo, sem medos e essa atitude deu frutos logo ao minuto 1’, pois através de uma boa jogada entre o Diogo e o Igor este finalizou marcando assim o primeiro golo do desafio. Passados pouco mais de um minuto e meio, o Fagulha aumentou a vantagem na sequência de um livre directo. E à passagem do sexto minuto, após uma jogada de insistência o Fagulha iria marcar novamente, fazendo assim, o terceiro golo. Este início fulgurante teve o condão de trazer alguma tranquilidade à equipa. A equipa estava a jogar bem, conseguindo jogadas de belo efeito. E foi com naturalidade que o quarto golo surgiu após uma bela triangulação em que o J. Maluco assistiu o Orlando que com muita calma bateu o guarda-redes adversário. O quinto surgiu apenas 50 segundos volvidos, através de um forte remate do Luís na conversão de um livre directo, em que beneficiou de um ressalto num jogador adversário. A equipa do GDVS dominava o jogo a seu belo prazer e iria chegar ao 6-0, novamente pelo Luís, desta vez na marcação de uma grande penalidade. A equipa da Bouça estava atordoada por estes frenéticos 27 minutos do GDVS, conseguindo o seu primeiro golo ao minuto 30’ após uma perda de bola da nossa equipa. Para um minuto depois reduzir para 6-2 na conversão de um livre directo. Mais uma vez cometemos alguns erros defensivos que se traduziram em golos, situação essa que necessitamos de corrigir. Mas estes golos não nos afectaram e ainda antes do intervalo iríamos marcar mais 2 vezes, o primeiro através do Tiago Mota após assistência do Fábio (Fagulha) e no segundo seria o Fábio a marcar o terceiro da sua conta pessoal após receber um passe longo do Luís. Chegou o intervalo deste jogo frenético com o incrível resultado de 8-2 favorável à “maltinha do Futsal”. Tinham sido 35 minutos de sonho da nossa equipa que tinha tudo para poder alcançar a tão almejada vitória. O intervalo serviu para ouvir as sempre sábias palavras do “mister” pois necessitamos de “descer á terra “ após tão brilhante primeira parte. E a segunda parte começou logo com um golo da equipa da Bouça, que com um remate de fora de área bateu o Coluna (que ao intervalo entrou a substituir o Fofinho). Este golo fez-nos lembrar que o jogo não estava ganho e partimos novamente para cima do adversário para dilatar o marcador. Situação, esta que iria suceder á passagem do 4º minuto através do Edgar que de pé esquerdo e após um passe do Luís, bateu o guarda-redes adversário. Entrou-se numa fase em que o jogo nem era sempre bem jogado e começamos a cometer algumas faltas desnecessárias, o que trouxe alguma intranquilidade á equipa. O jogo estava aberto, tendo o GDVS desperdiçado várias situações de golo, pois apesar do marcador estar tão dilatado, ficou no ar que poderíamos ter marcado muito mais. E marcamos, ao minuto 14, após um lance corrido, o Fagulha assistiu o Tiago Mota que marcou assim o décimo golo da equipa e ao chegar ao minuto 30, o Igor após mais uma assistência do Fagulha, marcou um golo que há já alguns minutos estava a procura. A partir daqui a equipa abrandou e cometeu novamente algumas faltas desnecessárias para uma equipa que se encontrava a vencer por 11-3, tendo com isto atingido a sua quinta falta. E foi na marcação de um livre directo a punir a 6ª falta que a Equipa da Bouça iria reduzir o marcador. O jogo não terminaria sem sofremos mais um golo nos instantes finais do encontro, fixando assim o marcador nos “fantásticos” 11-5 finais. Estava conseguida a primeira vitória!!! E que vitória e que exibição!!! O GDVS pode estar orgulhoso da “maltinha” do Futsal que hoje elevou bem alto o nome desta sexagenária colectividade. Esta vitória, os jogadores do futsal querem dedicá-la a todos quanto apoiaram a nossa equipa, a todos que (mais uma vez) quase encheram o recinto de jogo, não parando de incentivar a equipa, mas não me vão levar a mal se dedicarmos em especial esta vitória à pessoa que foi o “mentor” deste projecto, que nos fez acreditar, que nos fez tornar este sonho realidade, assim sendo, tomo a palavra do grupo para dedicar esta vitória ao “mister” António Joaquim.
Agora é tempo de saborear a vitória e esperar por todos quanto apoiaram a equipa voltem a encher o pavilhão no próximo sábado, para a segunda mão da taça de honra, em que a equipa do GDVS irá defrontar o Sporting da Covilhã, tentando anular uma desvantagem de 7-6 que trouxe do recinto da equipa dos “leões da Serra”. Por fim ficam o nome dos jogadores que brilhantemente conseguiram alcançar a primeira vitória da “maltinha” do Futsal do GDVS: Fofinho, Coluna, Diogo, Tiago Mota, Igor, Fábio, Orlando, João, Luís, Edgar, Nuno e Eurico.
MIGUEL VIEIRA
Loading...