segunda-feira, 3 de novembro de 2008

7ª Jornada

Pedrógão segura golo com unhas e dentes
Campo Tenente Manuel Morais, Pedrógão de São Pedro
Árbitro- Paulo Abrantes (4), auxiliado por Nuno Silva e Sérgio Paiva
Pedrógão SP- Ruben (4), Filipe (3), Roque (3), Velho (3), Valter (3), Horácio (3), Leonel (3), Mário Pina (4), Ângelo (1), Caronho (4) e Mikael (3)
Treinador- Xana
Vitória de Sernache- Jorge Correia (3), Paulo Lopes (3), Rui Domingues (2), Ricardo André (3), Fredy (3), Fernando Miguel (4), Dany (3), Tiago Farinha (3), Diogo Simão (3), Miguel Farinha (3)Gaspar (3)
Treinador- António Joaquim
Substituições- Ângelo por Hélder Filipe (3) aos 20, Horácio por Luís Amaro (2) aos 71 e Velho por Manuel (-) aos 89; Rui Domingues por Likas (3) aos 59, Diogo Simão por M´Passo (2) aos 59 e Dany por Luís Filipe (2) aos 73
Disciplina- Amarelos a Mário Pina aos 90+3; Tiago Farinha aos 22, Ricardo André aos 81, Fredy aos 90 e M’Passo aos 90+4
Marcador- Caronho aos 52
A figura do jogo- Ruben (Pedrógão SP)- Com três defesas fantásticas no segundo tempo acabou por contribuir de forma decisiva para segurar a vantagem no marcador. Decisivo.
O Pedrógão SP- Teve um ligeiro ascendente, durante os primeiros 45 minutos, mas, sabendo das limitações provocadas pelas lesões optou, e conseguiu, por segurar a vantagem que alcançou no início do segundo tempo. Vitória importante para manter a equipa no topo da classificação.
O Vitória de Sernache- Já joga melhor que nos primeiros jogos da temporada mas tem dificuldades em concretizar as oportunidades que cria durante os períodos em que domina. Empurrou o Pedrógão para o seu meio campo depois de sofrer o golo mas, só isso não chega para somar pontos… é preciso marcar golos.
Num jogo animado e muito disputado, com períodos de bem jogado, acabou por ganhar quem primeiro marcou, o que já tínhamos previsto ao intervalo.Numa tarde fria, mas sem chuva e até com sol, Pedrógão de São Pedro e Vitória de Sernache conseguiram proporcionar ao público que se deslocou ao Tenente Manuel Morais um espectáculo agradável, lutando de forma desinibida pela vitória, sem que se visse nenhuma das equipas com receio de perder o jogo.Apesar das boas trocas de bola e da facilidade com que as equipas faziam as transições dos seus sectores mais recuados até aos homens mais avançados no terreno, foram muito escassas as oportunidades de golo ao longo dos primeiros 45 minutos, isto mais por culpa das defesas, que se mostraram sempre muito bem, especialmente ao não deixarem que o perigo chegasse muito perto dos dois guarda-redes.Em 45 minutos apenas Jorge Correia foi obrigado a uma intervenção difícil quando teve que desviar para canto um livre do lado esquerdo, de Caronho, que quase entrava rente ao poste direito da baliza do guarda-redes vitoriano.Ao intervalo, e porque as duas equipas tinham mostrado um nítido equilíbrio de forças, o empate era um resultado lógico, natural e justo.Na segunda parte ninguém abdicou de lutar para ganhar, mas pela eficácia que as duas defesas já tinham mostrado “cheirava” um pouco que aquele velho ditado “quem marcar um golo ganha” se podia aqui aplicar. E foi. Foi uma boa antevisão dos últimos 45 minutos.Num jogo muito igual Caronho marcou aos 52 minutos com um pontapé indefensável para Jorge Correia mas onde ficou a clara sensação que alguém dos forasteiros se esqueceu da marcação ao centro-campista pedroguense.A perder, António Joaquim mexeu. Perdido por um, perdido por dois ou três, e Likas e M’Passo, e a subida de Ricardo André no terreno, deram mais força ao último terço do terreno vitoriano, passando a equipa do Pinhal a dominar e a estar de armas e bagagens no meio campo contrário. No meio deste domínio estéril, Mário Pina ainda podia ter matado o jogo quando explorou muito bem a ausência do lateral esquerdo Ricardo André para se isolar, não decidindo da melhor forma o tempo de remate.Do outro lado, onde mais se jogava, era o jovem Ruben que evitava que a sua equipa perdesse a vantagem. Foram três defesas enormes, no curto espaço de dois minutos, que adiaram de forma definitiva o golo que o Vitória tanto fez para que acontecesse.Pelo que se viu, num jogo em que o empate não ficaria mal a nenhuma das equipas, o Pedrógão acaba por ficar com os 3 pontos porque soube defender com unhas e dentes o golo que Caronho marcou a abrir a segunda metade.
António Maia
www.antoniomaia.blogspot.com
Loading...