segunda-feira, 4 de dezembro de 2006

10.ª Jornada

Póvoa Rio de Moinhos- 0 Vitória de Sernache- 2 Equipa Titular do Sernache: 12- Vilela 2- Bruno Bastinho 3- Tomás 4- F.Miguel 5- Pedro 6- João Viana 7- Rui Daniel 8- Dani 9- Maçaroco 10- Miguel Farinha 11- Mpasso Suplentes: 1- António Joaquim 13- Dário 14- João Paulo 15- Rogério 16- Filipe Amaro 17- Fredy 18- Filipe Barata Substituições:Miguel Farinha por Fredy; João Viana por Filipe Barata; Mpasso por Rogério O jogo começa de uma forma algo atabalhoada e confusa, onde a bola é quase sempre jogada pelo ar e onde se verifica, nos primeiros minutos de jogo, uma ligeira superioridade da equipa da casa que aproveita alguma apatia e lentidão do Sernache. Passado esse período e já com as marcações devidamente acertadas pela sua defensiva, o Vitória começa aos poucos a assumir o controlo do jogo e a tentar jogar de forma organizada e com a bola rente ao solo, mas não tava fácil conseguir criar perigo junto da baliza da Póvoa que defendia com marcações fortes e sempre com grande disponibilidade dos seus jogadores em não dar espaço aos Vitorianos. A toada do jogo foi-se mantendo, muita luta a meio campo e sem que houvesse grandes situações de golo... Vilela nunca foi verdadeiramente incomodado e no outro lado apenas por uma vez o guardião da Póvoa foi obrigado a intervir com uma grande defesa. O nulo ao intervalo era um resultado justo... Para a segunda parte o Sernache toma consciência que precisa fazer algo mais para vencer o jogo e entra disposto a isso mesmo... assume o controlo do jogo, começa a jogar melhor, a chegar primeiro á bola que o seu adversário e assim começam a surgir as oportunidades de golo que faltaram no primeiro período. João Viana, de fora da área, remata para grande defesa do guarda redes da casa... Bruno Bastinho, em boa posição, remata para mais uma óptima defesa do guarda redes... Depois de boa jogada colectiva, Dani surge frente ao guarda redes mas este consegue parar o remate forte do numero 8 do Vitória. O golo não surgia e a Póvoa tentava, novamente, equilibrar o jogo mas só através de contra ataques ou remates de longe dava trabalho a Vilela. Assistia-se agora a um jogo de toada e resposta, mas foi o Sernache quem finalmente chegou ao merecido golo... pontapé de canto cobrado por Rui Daniel, Mpasso cabeceia a bola e á boca da baliza surge Bastinho a facturar. Pouco depois veio o segundo golo que acabou em definitivo com a resistência da equipa da casa... Fredy é lançado pelo lado direito, corre até á área onde cruza para Mpasso, este amortece a bola para Dani que vinha de trás e estava assim feito 2-0 final. Vitória justa, mas também suada da equipa do Sernache que soube sempre acreditar que ia conseguir marcar e que nunca se desorganizou ao longo do jogo.

Bastidores

Pois é, toda a gente gosta de saber o que se passa nos bastidores desta grande instituição que é o G.D.V. Sernache. Ele e o rei das camisolas, o ditador das máquinas de lavar, o magnata do detergente, o imperador do calçonito e da peúga... ele é Augusto Pereira, o digníssimo roupeiro do Vitória



Para quem não sabe, é o individuo de febra na mão, aqui caçado pelos paparazzi na festa de anos do Maçaroco. E nestas ocasiões é sempre o primeiro a chegar e o último a saír, nem que para isso tenha que se descurar das suas funções. Mesmo nestas situações o homem não ta contente e sempre a resmungar. Vá-se lá entende-lo.

Já agora, o Maçaroco é este tipo que aqui aparece a querer dizer alguma coisa, mas que afinal não diz nada.



Este último é um tipo porreiro! Ofereceu uma festa aos amigos... Comeu-se bem e bebeu-se ainda melhor... Uma coisa é importante que fique clara. Ficou bem patente a responsabilidade que estes jogadores demonstraram, mesmo numa situação de festa... ninguém bebeu nada que fizesse mal, todos se comportaram como profissionais... Se não acreditam perguntem ao senhor de vermelho de febra na mão ;)

"Vivó Vitória!"
Loading...